quinta-feira, 16 de abril de 2009

Texto ao 'amigo' desconhecido

"DON JUAN
É. mas minha paixão por Dona Elvira se esfumaçou e qualquer compromisso com ela se tornou... impraticável. No amor eu amo sobretudo a liberdade, você sabe, e não me resigno a encerrar meu coração entre quatro paredes. Eu sempre te falei; uma inclinação natural me atrai a tudo que me atrai. Meu coração pertence a todas as belas. Cabe a elas, cada uma a seu turno, ficar com ele o tempo que puder. Mas que edifício soberbo é esse aí, entre as árvores?"

trecho de DON JUAN - O CONVIDADO DE PEDRA de Molière.


Nunca agiria com tanta falta de consideração com um amigo meu. Perdeu uma amiga de verdade, e pelo motivo mais fútil, vaidade! Pra testar teus encantos. Encanto nenhum resiste a essas tuas atitudes, tu me desapontou. Pensei que fosse de boa índole, mas te mostrou egoísta e covarde, mesmo com o espaço que dei pra que tu fosse transparente. Mesmo com a atenção, tentativas de melhora. Pensei estar segura perto de um amigo, por isso me deixei envolver, mas daí tu me fez perceber que não te conheço.

Me senti desmoralizada, principalmente frente à minha mãe. Tu não te sentiu nem constrangido a conversar comigo pra que pudéssemos deixar essa história bem resolvida, fugiu como sempre faz, e me colocou num grupo onde infelizmente tem tantas outras gurias que tu desapontou. "Eu sei teu valor, não quero te perder e estou disposto a pagar o preço", pra que falar isso? Pra encher teu ego ao ver a pessoa envolvida, te PERDOANDO como tu pediu? Quanto egoísmo. Tudo isso pra uma semana depois marcar encontros e desmarcar em cima da hora, pra dizer que vai me ligar e por fim nunca mais dar notícias. C'est la vie? É, a vida segue, mas "um homem com palavra é um homem da verdade. É requisito básico pra personalidade. Não importa a idade, a cidade ou a nação. Respeito é herança da civilização". Nunca entendi tão bem porque tu me repetiu tantas vezes que era um verme.
Agora tu vai achar "palha" isso que eu te escrevi, e pensar num jeito de reverter a culpa pra mim. Como quiser, covardia é teu forte mesmo.

01/2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário